Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘beleza’

2006 >> Chanel confirma: Microvestido agora é elegante : “…e fez da mulher Chanel uma moça que é chique mostrando as pernocas”.

No dia 22 de outubro  a estudante Geisy Arruda, de 20 anos, foi hostilizada pelos alunos da sua universidade, a Uniban. Dos detalhes, todos já estamos a par, pois o ocorrido foi e tem sido amplamente discutido pela mídia – tanto em jornais quanto em programas abertos a debates e entrevistas.

Quem está certo e quem está errado? – Cada um tem uma opinião. Mas, se a gente for pensar na raíz do problema, o cerne da questão está no regulamento da instituição. O que aconteceu foi o resultado da ausência de regras da Uniban.

Digo isso com experiência de causa – só que ao contrário. Estudei em uma instituição que definia muito bem os limites dos alunos – desde o tipo de roupas e acessórios proibidos, ao linguajar. Do Fundamental II à faculdade de comunicação, estudei numa instituição confessional – a Rede de Educação Adventista. Não nos era permitido pintar as unhas com esmaltes de cores fortes, nem o uso de maquiagem forte, joias e bijuterias. O uso do uniforme era rigorosamente fiscalizado. Até mesmo o tamanho da saia das garotas. No máximo quatro dedos acima dos joelhos. As monitoras ficavam de olho e mandavam as mais “safadinhas” desenrolarem a saia sempre que viam. Às vezes não adiantava, porque elas desenrolavam na frente dela e lá na frente enrolavam de novo, especialmente na saída do colégio. Mas aí já estavam fora dos portões…

Na faculdade, o Unasp – Centro Universitário Adventista de São Paulo, as regras também eram bem definidas. Nada de tecidos transparentes, nem blusas ou vestido de alcinha. Saia no máximo quatro dedos acima do joelho. Nada de mini-blusas.  Mulheres não podiam usar shorts, mas podiam usar bermuda no joelho. Meninos também podiam assistir as aulas com bermudas no joelho. Nada de camiseta regata nem de desfilar sem camisa. No caso da faculdade, não era proibido ouso de maquiagem ou joias e bijuterias. O linguajar também era fiscalizado, sob pena de advertencia e tal. Nada de palavras de baixo calão.

Fora isso, também não era permitido o uso de álcool, cigarro… nem de som (música) não autorizada.

Me lembro que, num período, perdi muito peso. Estava com 51 kg – quando o normal era 55. Um dia, vesti uma saia jeans e uma blusinha. Como sempre, o jeans, ao sair do varal, fica mais justo e depois laceia um pouco. Foi o que aconteceu com a saia que ficou caindo. Eu puxava toda hora mas não adiantava. Uns dois ou três dedos da minha barriga/cintura apareciam enquanto andava. Um dos diretores viu e pediu que uma secretária viesse falar comigo. No final da tarde, educadamente ela me chamou e disse: “Olha, eu sei que você sempre se veste adequadamente, mas me pediram para falar com você para tomar um pouco de cuidado com alguns tipos de blusa que às vezes, sem querer, acabam mostrando a barriga. Não é por nada não, mas um dos diretores viu e me pediu para conversar com você. Você é muito bonita e isso também pode gerar comentários, você sabe. Até porque você ocupa uma função importante como assistente do coordenador do Curso de Comunicação.”  Eu pedi desculpas e expliquei que foi sem querer, que foi pelo fato de ter perdido peso e que quando me vesti estava tudo ok, mas no meio da tarde a saia ficou mais larga e caindo – o que não acontecia antes.  Não me senti insultada nem nada. A moça foi muito educada. E veio falar comigo, ao invés de saírem falando mal de mim pelas costas. E minha função realmente exigia que eu desse exemplo.

Se a Geisy estudasse em uma instituição com regras definidas dessa maneira, jamais teria sofrido a humilhação que sofreu. Na condição de mulher, acho que posso dizer que ela é meio sem noção. Não sou nenhuma feia para que alguém diga que tenho é inveja do “corpão” dela. Pelo contrário. Quem me conhece sabe… (rs). Mas a faculdade em nada ajudou a garota nessa sua falta de “bom senso” com o vestuário.

Me lembrei agora de uma das aulas de comunicação, estudando os textos de Guy Debord sobre ideologia. Me lembro de alguns parágrafos esclarecedores sobre a moda, o feminismo e a onda de transformar a mulher em objeto sexual, objeto de desejo – sem o menor pudor. E isso estava sendo feito de tal forma que a mulherada imaginava que esta era se libertando da opressão e se fazendo livre para vestir o que quisesse, expor o seu corpo da maneira que bem entendesse, sem imaginar que na verdade estava era apenas se escravizando de outra maneira e consciensiosamente. E hoje, vemos garotas como a Geisy Arruda – escravas da “gostosura”, dessa coisa de “chamar a atenção dos homens”, de “mexer com o imaginário feminino”. E pior, achando que o vulgar é normal, rotineiro e pronto. Nos comentários da jovem Geisy, podemos perceber que ela está dominada por essa ideologia. “Sempre me vesti assim e os homens sempre elogiaram, chamavam de gostosa… é algo rotineiro pra mim.” – Agora, que mensagem ela quer passar com sua roupa? “Me respeitem” ou “pode vir que a festa é aqui?” Cada lugar tem sua roupa apropriada. Ninguém vai ao Fórum de biquini nem de camisola. Nem à igreja. Faculdade não é balada. Nem praia.

A reação coletiva foi realmente assustadora. Nem que a garota estivesse totalmente pelada isso poderia ter acontecido. Mas, de fato,  se a Uniban não tinha regras explícitas sobre o tipo de vestuário adequado, não poderia, em momento algum, acusar a garota de ferir os bons costumes e a descência.

E eu fico pensando: por mais chatas que sejam as regras e normas, é para isso que elas servem. Para evitar o caos. Para permitir a convivência de forma pacífica.

Também fui aluna da Universidade Anhembi-Morumbi. Algumas garotas também vão às aulas com decotes no umbigo, com microshorts, microsaias jeans… e também já ouvi comentários sobre esse não ser o tipo de roupa adequado para uma sala de aula, que é falta de respeito e tal. Não posso deixar de concordar. Não vivemos mais no tempo da opressão exagerada, quando mulheres não podiam nem usar calça comprida. Mas o bom senso ainda é bem-vindo. O respeito também.

Aí eu lembro de algumas dicas que sempre vejo em programas sobre moda… como o Esquadrão da Moda no SBT. Outro dia a cantora Claudia Leite indicou a cantora Stéfhany Absoluta para o programa. Na hora de defender seu guarda-roupa cafona, ela vestiu uma calça jeans super apertada, partindo a região íntima ao meio, com um top e um colete curto.  Fiorentini perguntou que mensagem ela queria passar com aquela roupa, na balada:

Fiquem longe, me respeitem? Ou, Pode vir que a festa é aqui?

Não sei!!!” – Respondeu Stéfhany, com tom assustado e sincero.

Pobre garota. Ela realmente não sabia. Acho que esse também é o caso da Arruda.

Acho que tá na hora da televisão parar de mostrar mulher pelada e ensinar a gente a se vestir e passar uma imagem adequada. Como a Fiorentini sempre diz, a roupa passa uma imagem. Que imagem a gente quer passar? O que temos vestido? Assim como nosso linguajar é importante, o modo como tratamos as pessoas, a maquiagem, a profissão… a roupa também.

Tomara que a Geisy e todas nós possamos aprender algo bom com essa história toda. Intolerância, não. Bom senso, sim.

E mais. É importante ter cuidado com o que os modistas apregoam. Como no início do texto… só porque a Chanel acha chique o microvestido, não significa que ele não significa mais a intenção de se expor. Se a intenção não é se expor, nada de microvestido. Claro que ninguém precisa ficar cafona como algumas religiões exigem… proibindo até hoje o uso de calça e outras coisas que nada têm a ver com a “decência”. Chega de preconceito. Vamos estudar o tema, refletir e dar espaço à harmonia, beleza e respeito. – Claro, isso vale para quem quer respeito.

Outros textos sobre o tema:

Qual o limite entre a sensualidade e a vulgaridade?

A intolerância e o vestidinho indefectível


Anúncios

Read Full Post »